Blog/Cenas da China real/China/Cultura Chinesa/Curiosidades/viver na China

Mulçumanos na China

Anteriormente já escrevi aqui sobre as 56 etnias que formam o povo chinês, e entre elas existem algumas que são de origem mulçumana, já que a China tem fronteira com vários países mulçumanos.

De acordo com relatos sobre os chineses muçulmanos, a relação existe há aproximadamente 1.400 anos, através das rotas da seda e por meio do comércio e intercâmbios diplomáticos. Acredita-se que 2% da população da China sejam mulçumanas.

china_muslim_regions

História

Durante as Dinastias Tang e Song, os contatos intensivos com a Ásia Central e Ocidental, trouxeram os primeiros grandes assentamentos muçulmanos na China, formados por comerciantes árabes e persas. Durante essa época a comunidade mulçumana estava bem estabelecida nas cidades portuárias de Guangzhou, Hangzhou, Chang’an, Kaifeng, e Yangzhou. A religião mulçumana era denominada ‘Dashi fa’ (lei dos árabes). Depois mudou para ‘Huihui Jiao’ (a religião dos Huihui).

Mas foi durante a Dinastia Yuan (Mongol), que um grande número de muçulmanos se estabeleceu na China. Os mongóis, por ser minoria na China, deram aos imigrantes estrangeiros (muçulmanos, cristãos e judeus da Ásia ocidental) um status elevado como parte de sua estratégia de governo, dando assim os muçulmanos uma grande influência e diminuindo a força da etnia Han (principal etnia da China).

Durante a Dinastia Ming, os muçulmanos continuaram influentes em torno de círculos governamentais. Nessa época foram autorizadas as construções de mesquitas em Xijing e Nanjing, e no sul de Yunnan , Fujian e Guangdong.

Mas nesse mesmo período, foi restringida a entrada de novos imigrantes mulçumanos. Os que já estavam na China assimilaram a cultura, falando dialetos e adotando nomes chineses. A arquitetura das mesquitas começou a seguir a arquitetura tradicional chinesa. E Nanjing se tornou um importante centro de estudos islâmicos. Eles receberam relativa liberdade por parte dos chineses, sem restrições colocadas sobre as suas práticas religiosas ou a liberdade de culto, o que não era permitido a outras religiões como a Budista e Católica, por exemplo.

A Dinastia Qing, por sua vez, lutou para exterminar os rebeldes muçulmanos, com a ajuda de generais mulçumanos que abandonaram sua religião e juntaram-se ao exercito Qing .

Na curta época da República da China, depois da queda da dinastia Qing, foi proclamado que o país pertencia igualmente aos povos Han, Man (Manchu), Meng (Mongol), Hui (Muçulmano), Tsang (tibetano) e Miao.

República Popular da China – Durante a Revolução Cultural cópias do Alcorão foram destruídas junto com templos, igrejas, mosteiros budistas e taoístas e cemitérios.

O governo começou a relaxar suas políticas em relação aos muçulmanos em 1978. Hoje, a comunidade mulçumana está experimentando uma recuperação modesta e já existem muitas mesquitas ativas na China.

Em abril de 2001, o governo criou a Associação Islâmica da China, que foi descrito como o objetivo de “ajudar a propagação do Alcorão na China e se opor ao extremismo religioso”.

Alguns exemplos das concessões religiosas concedidos aos muçulmanos são:

  • Comunidades muçulmanas podem ter seus próprios cemitérios.
  • Casais muçulmanos podem ter sua união consagrada por um ‘Imam’.
  • Trabalhadores muçulmanos têm seus festivais religiosos (feriados) respeitados.
  • Muçulmanos chineses também estão autorizados a fazer o ‘Hajj’ a Meca.
  • Em áreas onde os muçulmanos são maioria, a criação de porcos não é permitida, em deferência às crenças muçulmanas.

IMG_6208

Cultura e patrimônio

A interação é evidente no legado de ambas as tradições. Na China, o Islã influenciou a tecnologia, ciências, filosofia e artes. Em termos de cultura material, a arquitetura islâmica da Ásia Central e a caligrafia, bem como a cozinha chinesa do norte. Esta herança cultural multifacetado continua até os dias atuais.

Em chinês, a mesquita é chamado Qingzhen Si (清真寺) ou “templo pura verdade”. A Grande Mesquita de Xi’an ( estabelecido pela primeira vez durante a era Tang ) e a Grande Mesquita do Sul, em Jinan, cujos edifícios datam da dinastia Ming, seguem a arquitetura tradicional chinesa. Mesquitas no oeste da China possuem mais elementos tradicionais vistos em mesquitas de outras partes do mundo.

IMG_6180

IMG_6196

Alimentação

A cozinha muçulmana-chinesa adere estritamente às regras alimentares islâmicas, com carne de carneiro e cordeiro sendo o ingrediente predominante, mas herdou os diversos métodos de cozimento da cozinha chinesa.

Devido à grande população muçulmana no oeste da China, em todo o país existem pequenos restaurantes islâmicos ou barracas de comida típica, administradas por imigrantes do oeste da China (por exemplo, os uigures), que oferecem sopa de macarrão, cordeiro e carneiro (cozidos ou não). Alimentos preparados comercialmente pode ser certificado ‘Halal’ por agências autorizadas. Em chinês, ‘halal’ é chamado Qingzhen Cai (清真 菜) ou “comida pura”. Carne de cordeiro abatido de acordo com os rituais islâmicos também é comumente disponível em mercados públicos, especialmente no norte da China.

IMG_6149

IMG_6201

Shanghai

Há 20 dias fui visitar um reduto mulçumano em Shanghai. É uma feira de rua, que acontece todas as sextas feiras, ao lado de uma mesquita. Os produtos vendidos são carne de carneiro e cordeiro in natura, doces e massas (dumplings) com recheios que seguem a tradição islâmica.

Também há as barracas que vendem a comida pronta, para levar para casa ou comer no local. Além de produtos industrializados que atende as necessidades dos mulçumanos. Lá encontrei o tal ‘pão assado na lata’ que escrevi sobre ele nesse post, e que é tradicionalmente da região mulçumana.

Também visitamos a mesquita, e pudemos subir na parte destinada às mulheres. O que achei esquisito é que não nos pediram para usar o véu, que entendo com um ato de respeito aquela crença, apesar de não pertencermos a ela.

IMG_6209

IMG_6210

IMG_6205

Mas o que mais me chamou a atenção foram o comportamento e as características desse grupo étnico. Muitos não têm os olhos tão puxados como chineses, pois devem ter a influência genética mais forte mulçumana, mas falam mandarim. Já os que são chineses característicos, mas usando as roupas mulçumanas, também soa estranho aos nossos olhos.

As embalagens, as placas dentro das mesquitas, estão escritas em árabe e mandarim. E entre eles, usam o dialeto que é uma mistura de árabe, com chinês e um ritmo que lembra o espanhol. Muito interessante.

IMG_6211

IMG_6166

IMG_6162

As mulheres usam os véus mais fechados ou nem tanto, as roupas longas e largas. Não cheguei a ver nenhuma de burca. Mas o que chamou minha atenção foi uma que usava um gorro de lã embaixo do lenço, com a palavra ‘Jesus’ bordada. Claro que as letras do alfabeto romano não tem significado nenhum para ela (e nem para as centenas de outros que estavam a sua volta), mas foi algo que me fez parar e pensar no que aconteceria se ela soubesse que carregava o nome de Jesus sob os lenços mulçumanos.

IMG_6154

IMG_6197

IMG_6177

IMG_6157

Seguem mais fotos!

IMG_6158

IMG_6153

IMG_6189

IMG_6199

IMG_6151

IMG_6194

IMG_6191

IMG_6139

IMG_6140

Zài Jiàn!

Curta a nossa página no Facebook! Só clicar aqui!

Anúncios

24 pensamentos sobre “Mulçumanos na China

  1. Pingback: Páscoa na China? | China na minha vida

  2. Pingback: Curiosidades da mesa chinesa | China na minha vida

  3. Pingback: Xi’an no feriado do Dia do Trabalho. | China na minha vida

  4. Pingback: (Algumas) Crenças Chinesas. | China na minha vida

  5. Pingback: China – A Celebração da Páscoa

  6. Pingback: Óculos chineses. | China na minha vida

  7. Oi Chirstine
    A Grande Mesquita de Xian é fantástica. A visitei em 2011 e a mistura de culturas tão diferentes (chinesa e muçulmana) para mim foi muito marcante. A primeira mesquita que eu visitei foi na… China!
    Recomendo a todos conhecer este lugar e todo o bairro muçulmano que a rodeia. Pura história.
    Abraço

    Curtir

  8. Que texto legal Chris! Cheguei a visitar umas cidades de maioria mulçulmana em Quinghai, mas nao conheci a area mulçulmana em Shanghai. Obrigada pelo tour virtual! Saudades de você! Bjos

    Curtir

  9. Adorei o post, Christine! Chineses muçulmanos é uma coisa que realmente não passava pela minha cabeça. Bom conhecer esse lado da China.
    Bjs,
    Lu

    Curtir

  10. adorei o post! muito interessante essa mistura! me chamou a atenção uma foto da mesquita, pena que só dá para ver uma torre, mas parece ser algo bem moderno!
    As comidas dever ser deliciosas! …………………um dia ainda vou ai!
    beijo grande para vc e familia!

    Curtir

  11. Adorei o texto, fui lá uns 3 meses atrás. Não deu para entrar na mesquita. Fiquei surpresa com as peles de animais expostas na rua e as carnes sem cuidado nenhum de refrigeração. Agora, o pãozinho lógico que não resistí, aliás comi na hora. Já comi também em restaurante “Uigur”, muito boa comida!.
    Beijo!

    Curtir

Gostou do texto, tem algo para dividir? Deixe seu comentário aqui! =]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s