Blog/China/Cultura Chinesa/Curiosidades/Livros/viver na China

IChing – o oráculo chinês.

Como sempre procuro entender os porquês das coisas, o que facilitou muito minha vida na China, fui buscar um curso para entender o que é o IChing.

Na realidade não entendi muita coisa, no ponto de vista das interpretações (ainda, espero). O livro é imenso, cada hexagrama tem uma interpretação principal, mas ele pode ser subdividido em partes e dai gerar outras dezenas de interpretações… Ou seja, resumindo, acho que a pessoa que lê IChing precisa ser um pouco ‘vidente’ também… ter um ‘feeling’ apurado por assim dizer.

De acordo com Confúcio, que foi um dos autores do IChing, quando tinha 50 anos, ele disse que se o céu desse a ele mais 50 anos de vida, ele usaria totalmente para estudar o IChing e ainda seria pouco. Se Confúcio disse isso, gente… quem sou eu para sequer tentar… (rs). Mas não deixa de ser interessante saber que além da ‘adivinhação’, previsão de futuro, o IChing tem um fundo filosófico muito grande e explica muito da cultura chinesa, pois as coisas fazem sentido através da compreensão dos hábitos milenares dessa sociedade.

Bagua, primeira inspiração para os hexagramas do I Ching.

Bagua, primeira inspiração para os hexagramas do I Ching.

Claro que um artigo não daria para explicar tudo que estou vendo num curso de meses… Mas tentarei aos poucos passar aqui um pouco da filosofia e da história do IChing. Previsões ou interpretações, não me atrevo ainda, e nem sei se me atreverei um dia, a fazê-las. Mas a lógica da coisa é bem interessante.

O I Ching 易經 (Yijing), também conhecido como o ‘Livro das Mutações’ ou mudanças, é um oráculo clássico chinês. O I Ching era originalmente um manual de adivinhação, mas ao longo do período dos reinos e imperial foi transformado em um texto cosmológico com uma série de comentários filosóficos. Foi objeto de estudos acadêmicos e base para a prática de adivinhação por séculos em todo o Extremo Oriente e também influenciaram o mundo ocidental.

O oráculo é tipo de interpretação do futuro, baseada em seis números aleatórios que são transformados em um hexagrama, e sua interpretação está  no livro ‘I Ching’, dispostas em uma ordem conhecida como a seqüência Rei Wen. A interpretação encontrada no I Ching é a questão de séculos de debate, e muitos comentaristas têm usado o livro simbolicamente, muitas vezes, para fornecer orientação para a tomada de decisão moral conforme informado pelo confucionismo. Os hexagramas adquirem um significado cosmológico e em paralelo com muitas outras crenças tradicionais para os processos de mudança, como yin e yang e Wu Xing.

Na sua história ele teve 4 escritores que produziram o material hoje usado pelos ‘especialistas’ em interpretar os hexagramas. Foram eles:

Fu Hsi (Fu Xi) – O primeiro escritor foi um legendário imperador chinês (governou entre 2852 – 2737 AC aproximadamente). Na realidade ele foi o criador do ‘bagua’, que foi usado como base da evolução do IChing e do Feng Shui, e de onde se originou o hexagrama. Não há nenhum tipo de material escrito sobre o bagua.

Rei Wen (Wen Wang) – segundo escritor, conhecido como sendo o fundador da dinastia Zhou (1150 a 249 AC) e um excelente acadêmico. Ele é responsável pela criação dos 64 hexagramas, seus nomes e a interpretação dos mesmos (Julgamento).

Os 64 hexagramas do IChing.

Os 64 hexagramas do IChing.

Tan ou Duque de Zhou – o terceiro escritor é responsável pela interpretação individual de cada linha do hexagrama. Ele era filho do Rei Wen.

Confúcio – ele e seus discípulos contribuíram com a composição do IChing. Eles finalizaram os comentários do livro. E os exemplares que hoje estão disponíveis no mercado são todos baseados na interpretação confucionista.

O IChing é um texto tão influente que é lido em todo o mundo. Vários países usam os hexagramas em suas bandeiras, e o texto têm servido de inspiração para o mundo da religião, psicanálise, negócios, literatura e arte.

Bandeira da Corea do Sul, que usa os símbolos do Bagua.

Bandeira da Coreia do Sul, que usa os símbolos do Bagua.

Esse texto ainda terá outras considerações e desdobramentos, como o próprio IChing… aguardem! =]

Zài Jiàn!

Anúncios

14 pensamentos sobre “IChing – o oráculo chinês.

  1. Christine, você me passou a perna sem saber… rsrsrs

    Eu há muito quero fazer um texto sobre o I Ching e eis que você me aparece com esse aí. Pelo menos, já resolve meu problema de saber mais sobre esse texto milenar (mais um, né?… rrsrs).

    Por outro lado, se você tem a intenção de escrever algo sobre o calendário chinês, pode tirar o cavalo (ou seria cabra?) da chuva, pois há pouco tempo publiquei um texto gigante sobre o assunto lá no meu blog.

    Mais uma vez parabéns pelo excelente conteúdo e tudo de bom.

    Abraços!

    Curtir

    • hahaha… estamos no mesmo barco Alexandre!
      E sempre podemos juntar forças…
      E esse texto foi muito superficial. Gente como é complicado e cheio de possibilidades o IChing!

      Vou escrever sim, sobre o calendário chinês, e ainda linkar seu texto nele! hihihihi.
      Bom Natal para vc!
      Abraço.

      Curtido por 1 pessoa

  2. oi!
    por isso que acho vc incrível, maravilhosa, inteligente………Me atrevi a estudar o I CHING, tenho o livro e as moedas! o que eu tenho tem o prefácio do Yung. Para mim, o I Ching se contem! Precisa muita concentração e conhece-lo bem para ter as respostas, que tudo nada mais é do que transformar as atitudes negativas em positivas! Os significados são muito legais! infelismente não me dediquei o suficiente, mas muitas vezes, me aliviou tensões da vida! Espero e desejo que vc continue estudando, pois
    vale a pena mesmo! Agradecido por essa sua persistência, essa sua curiosidade! Beijo grande para vc e familia!

    Curtir

  3. Oiêeeeee…
    Adorei a dedicação por algo tão complicado….mas como vc mesmo disse sobre Confuncio, acho q nem mais 50 anos vai conseguir aprender tudo.
    Beijussss

    Curtir

  4. Fico contente de ver um artigo sobre o I Ching no teu blog, eu há muito tempo que o estou a estudar e acho que é uma grande fonte de sabedoria e boas ideas ^_^

    Mas é muito diferente estudar o I Ching com uma tradução do texto ou outra, acontece o mesmo que com a Astrologia Chinesa, que há diferentes “escolas” e muitas vezes dizem coisas contrarias…

    Acho que a melhor tradução do texto a linguas ocidentais é a de Richard Wilhelm, depois há muitas outras que não são serias ou modificam muito o texto original para o adaptar às suas ideias e/ou fazer o livro mais fácil de ler (e vender).

    Um detalhe importante: quando dizes que “Não há nenhum tipo de material escrito sobre o bagua [os trigramas]”, isso está errado, há um texto feito por Confúcio em base a textos mais antigos que se chama “Shuo Kua” e alí faz uma explicação dos 8 trigramas, seu significado e o seu origem, é um texto curto mas muito poético e bonito de ler, na tradução de Richard Wilhelm está traducido enteiro, é fundamental para poder entender os 8 trigramas e o I Ching.

    Tens que procurar o Shuo Kua em português, muitos dos seus versos são estilo os haikus japoneses (pequenos poemas de 3 ou 4 linhas mas que transmitem um significado intenso), e acho que alguns vão ficar-te muito bonitos se os usas no teu blog.

    Ja receví o teu calendário, é grande e bonito, um bom presente, em breve vou escrever um artigo no meu site para o mostrar aos meus leitores e recomendar-lhes o teu blog.

    Fica bem ^_^

    Curtir

    • Olá Nacho.
      Obrigada pela explicação tão detalhada. Quando disse que não havia nada escrito sobre o baguá, segundo minha professora, me referia sobre Fu Hsi: ele não deixou nada escrito. Acho que me expliquei mal. Mas apesar disso, não posso afirmar definitivamente nada, afinal meu conhecimento é muito, mas muito superficial ainda. Uma coisa boa é que o livro que estamos usando é do autor que você citou. =] Fiquei contente…
      E vou procurar sim esse texto… fiquei bem curiosa…rs
      Que bom que gostou do calendário e obrigada pela gentileza de postar sobre ele! =]
      Grande abraço.

      Curtir

      • Gostei de ter encontrado este blog! Admiro seu interesse tão puro pelo iching. Isso é mostrado pelo ato de publicar este texto no blog. Eu também comecei a me interessar pelo iching na juventude. Mais precisamente aos 14 anos. E só agora eu comecei a ter outras e melhores conclusões a respeito. Também gostei por ter comentado que ainda não arrisca fazer previsões e sim um estudo filosófico pelomenos de início. Isto mostra a seriedade do seu interesse. Também penso assim. Embora, na verdade, agente comece a prever alguns acontecimentos depois de entender cada hexagrama, por que os 64 hexagramas e suas sequências são um verdadeiro espelho de possíveis 64 fenômenos do dia-a-dia.

        Curtir

      • Olá Zhou Yi, obrigada pela visita e pelo comentário.
        E realmente não tenho pretenções de fazer previsões para ninguém. Isso é algo de muita responsabilidade… Mas entender a filosofia, o ‘como funciona’ sempre me atraiu.
        Abraço! E volte sempre!

        Curtir

Gostou do texto, tem algo para dividir? Deixe seu comentário aqui! =]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s