Blog/viver na China

E a vida, o que é afinal?

Antes de começar a ler, preciso fazer um parenteses: esse texto, num primeiro momento, pode parecer que não tem nada que ver com a China. Mas se eu não estivesse aqui, tendo as experiências que já tive e ainda continuo vivendo, talvez ele não existisse. Tudo que aprendemos na nossa caminhada é o que nos transforma no que somos. E ando sentindo uma vontade enorme de dividir um pouco das minhas indagações com vocês, são temas que ficam martelando na cabeça, sabem?…

Então vamos lá, espero que gostem!

Estava aqui pensando num caminho para começar esse texto e me veio na cabeça a música do Gonzaguinha, com seu refrão: “E a vida? E a vida o que é, diga lá meu irmão…”. Sou uma pessoa de metáforas, adoro me expressar com elas, acho que facilitam o entendimento e amo música… E não há texto melhor desenhado de metáforas do que as letras das músicas. E nada mais surgiu de inspiração, além desse refrão, por alguns dias! Então se é isso, vamos tentar ponderar sobre as possíveis respostas: E a vida, o que é afinal?

Continuando na linha do que me inspirou, sigo com as frases do Gonzaguinha!

“Há quem fale que é um divino mistério profundo, é o sopro do criador numa atitude repleta de amor.”

Sem entrar em questões de religião ou crenças, sejam elas quais forem, no meu entender é de que a vida é uma passagem, um período que temos para crescer, aprender, sonhar, realizar, dar e receber, trocar e cumprir um destino, cair e levantar, sorrir e chorar. Muitos acreditam que vivemos uma só vez e acabou, outros acreditam que podemos reencarnar quantas vezes precisarmos para evoluir, outros acreditam em céu e inferno depois da morte, e sei lá mais quantas crenças existem por aí. Mas numa coisa acho que há unanimidade, pelo menos é isso que entendo: essa vida que estamos tendo hoje é única. É preciosa e não pode ser desperdiçada.

DeathtoStock_NotStock7

foto by DeathtoStock_NotStock

“Você diz que é luta e prazer, ele diz que a vida é viver, ela diz que melhor é morrer, pois amada não é, e o verbo é sofrer.”

E é mais ou menos assim que a vida se dá, horas de tristeza e lamento. Momentos de profunda alegria e diversão. Tempo de se aprender, tempo de ensinar. Estação de se abrir e outras de ficar quieto consigo mesmo. Ganhar e perder, acertar e errar, e errar de novo por diferentes caminhos e aprender como trilhar aquela estrada. Dividir e somar.

Ninguém, por mais pessimista que seja vive só de perdas e nem os mais otimistas vivem só de ganhos. E esse é o jogo, isso é a mola que nos impulsiona a seguir em frente nesse caminho desconhecido, sempre nos perguntando: qual será o próximo desafio? O que vou encontrar na próxima esquina? Ninguém sabe…A vida, essa danada, sempre nos surpreende.

Claro que planos são feitos, tentamos traçar os melhores caminhos, prospectar o futuro de maneira que, hoje, nos parece o mais sensato, baseados na informação que temos em mãos, que, na verdade, são formadas pelo que vivemos (passado), pela situação de hoje (presente) e no que esperamos que aconteça (futuro), mas esse terceiro elemento não existe… ainda.

“Somos nós que fazemos a vida, como der, ou puder, ou quiser…”

E por mais que coloquemos esforços para que tudo dê certo, para que as peças se encaixem, algumas (muitas) vezes, temos que parar e redirecionar nosso destino. Pode ser uma perda ou um ganho, vai depender da maneira de cada um para encarar a sua situação.

E isso acontece porque, como já escrevi, a vida se assemelha a um jogo. E nós, indivíduos, fazemos cada um nossos próprios planos, traçamos nossas estratégias. Só que os fatos, para seguirem o curso traçado, não dependem somente da nossa vontade. Tem outros indivíduos que também fizeram seus planos, que estão tocando a sua vida. E quando não temos a ‘sorte’ de que a nossa rota se encaixe perfeitamente na rota do outro que, de alguma forma, vai cruzar nosso caminho, somos surpreendidos pelo ‘não deu certo’ ou ‘perdi’, ‘não era isso que eu queria’ etc etc.

Chirtine1

Foto de Jairo Juedes – Tibet 2013.

Nesse ponto da encruzilhada, temos duas opções:

  • se lamentar pela perda, se sentir derrotado ou contrariado, injustiçado e estagnar ou
  • se lamentar pela perda (afinal ninguém gosta de ter que mudar algo que parecia a melhor solução, o caminho perfeito), mas buscar identificar o que fez a rota mudar e seguir pelo novo caminho (que na hora pode nem parecer o melhor, mais seguro).

“Ninguém quer a morte, só saúde e sorte. E a pergunta roda, e a cabeça agita.”

Para as duas opções a vida vai continuar, seguindo seu rumo. Vai abrir outras tantas portas, fechar centenas. Agilizar num momento, colocar uma pedra no meio da estrada no outro.

Só que quem fez a segunda opção, de sempre seguir em frente, se adaptando, cada vez mais terá leveza e conseguirá superar as dificuldades com menor sofrimento. E a cada desviada que a vida obrigar a tomar, vai ficando mais maleável e aprendendo a lidar com isso de uma maneira mais produtiva. Quem vê de fora, pensa: ‘mas essa pessoa já teve que mudar tanto, refazer tanta coisa, mas para ela sempre dá certo.’

Sim, dá certo, porque ela, por mais triste ou frustrada que tenha ficado no primeiro momento, não se deixa abater e segue em frente, faz com que a energia do impacto (ruim) se dissipe, circule e tudo volta a seguir o percurso. Não sem alguns atropelos, mas sem parar.

As pessoas mais rígidas, que relutam em perceber e entender que a vida é um fluxo de energia, estagnam e com isso, tudo que vem atrás vai caindo por cima, como num desenho animado, numa freada brusca. E, parece que tudo, mas tudo mesmo dá errado sempre. Quem não conhece alguém em que tudo de ruim sempre acontece com essa pessoa? O fato é que quanto mais vitimizada e estagnada a pessoa fica, menos energia flui, e tudo vai parando ali…

“Viver e não ter a vergonha de ser feliz. Cantar a beleza de ser um eterno aprendiz. Eu sei que a vida devia ser bem melhor e será…”

Tudo isso nos faz refletir sobre o ponto de que a vida segue, com ou sem nossa aprovação, e cabe a nós fazermos a opção de ser feliz com o que temos nas mãos ou sofrer pelo que nem sequer aconteceu. Rir dos nossos próprios erros e aprender com eles ou chorar pelas consequências dos nossos atos e culpar o mundo (e a própria vida) pelos nossos infortúnios.

Pensar que a vida é um castigo, uma penitência ou um maravilhoso caminho de aprendizado. Achar que tudo sempre será cinza e apagado ou que poderemos ter momentos coloridos e surpreendentes.

Para os mais pessimistas, aviso: eu não posso reclamar da minha vida (mas sou muito otimista), só que nem sempre pensei com a clareza e da maneira tão simples como relatei aqui. Mas a própria vida me mostrou que quanto mais retiscente eu fosse para aceitar o que não queria aceitar (ou o que EU achava que seria ruim para mim), mais difícil era superar o obstáculo.

Dificuldades, altos e baixos, momentos delicados, todos temos. Mas garanto que fica bem mais fácil superá-los por esse caminho.

Yangshuo_Rice Terrace_2

Foto de Cibele Câmara.

“Fico com a pureza das respostas das crianças: É a vida! É bonita e é bonita!”

E, obrigada Gonzaguinha, por me dar inspiração!

Quem quiser pode ouvir a música e seguir a letra.

Zài Jiàn!

waterquote-e1359999219318

‘Um homem sábio se adapta às circunstâncias como a água se adapta ao vaso que a contém.’ Provérbio Chinês.

Anúncios

12 pensamentos sobre “E a vida, o que é afinal?

  1. Christine, simplesmente perfeito! Lendo foi como se eu tivesse escrevendo! Parabens pelo seu blog!! Gosto demais de tudo que leio!!! =)

    Curtir

  2. Muito bom Christine!
    Se nota o taoismo em seu texto. Parece que vc tá impregnada e praticando esta filosofia china. Será por “osmose” ou são seus estudos e sua intuição?
    Aqui no Brasil comprei alguns livros:
    Taoismo no Dia a Dia – 1ª Ed. 2010 Simpkins C. Alexander Simpkins A.
    e outros de uma autora: Eva Wong, muito bons sobre o tema.
    Gracias por compartilhar.
    Abçs

    Curtir

    • Acho que um pouco de tudo Paulo. A maturidade, vivência, intuição e estudo… na minha visão só o estudo não te dá sabedoria suficiente que a vivência proporciona. Tem que haver o equilíbrio… sempre. Sábios os antigos que descobriram tudo isso há muito tempo! Abraço.

      Curtir

  3. oi! bom dia por aqui! continuamos esperando por chuva……….
    ……….simplesmente delicioso o texto!………incrivel, queria escrever uma porção de coisas mas, continue escrevendo mais e mais, que é muito bom te ler!…………….
    beijo grande para vc e familia!

    Curtir

  4. Que profundo, Chris! 😉 Acho que a vida é aquilo que fazemos dela… Quando tinha 16 anos, lembro de pensar que eu não gostaria de chegar aos 60, olhar para trás e imaginar como seriam as coisas que não tinha feito. Demorou um tempo – onze anos mais, para ser bem precisa, mas eu me joguei no mundo e me transformei naquilo que sou. Só eu conheço a dor e a alegria de ser quem sou. E não me arrependo de nada! =) Um beijo! Te amo!

    Curtir

Gostou do texto, tem algo para dividir? Deixe seu comentário aqui! =]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s