China/Cultura Chinesa/Curiosidades/Palestras e Assessoria intercultural/viver na China

Relacionamento com chineses – a importância de entender a cultura

Que os chineses estão ganhando o mundo, isso é fato consumado. Agora o que tenho recebido de e-mails e mensagens de pessoas querendo saber mais sobre relacionamento com chineses, tem me surpreendido.

E cabe lembrar que se relacionar socialmente é uma coisa (que tem seus segredos também), mas um relacionamento afetivo, um compromisso com um chinês (seja homem ou mulher), implica em conhecer, entender e aceitar certos costumes milenares que ainda permeiam o dia a dia das famílias chinesas.

Simplesmente é assim.

Como já escrevi aqui algumas vezes, o concreto e a tecnologia são fáceis de mudar, basta vontade e dinheiro. Já as regras sociais, o que está gravado no inconsciente coletivo de uma cultura, de um povo, isso precisa de décadas para haver alguma mudança significativa em qualquer lugar do mundo. O que dirá aqui na China, onde muitas dessas regras vêm de milênios, passadas e respeitadas de geração a geração, sem muitos questionamentos.

Apesar de toda abertura e acesso ao mundo ocidental e alguns dos seus hábitos, a estrutura familiar tradicional ainda é altamente valorizada e ocupa uma posição de destaque na cultura chinesa. Mesmo as ‘famílias modernas’, mais abertas ao novo, têm valores tradicionais que não conseguem deixar de lado.

Valores definidos por gênero

Os valores familiares chineses apresentam papéis e direitos muito claros e diferentes para homens e mulheres.  Apesar de algumas leis estarem mudando em relação a direitos da mulher, os valores originais ainda são evidentes em alguns níveis.

Na família tradicional chinesa, o homem é responsável por manter, prover e proteger sua família e recebe todo o poder de decisão quando se trata de sua esposa, filhos e parentes diretos. Ele também é responsável por cuidar e pagar pela educação dos filhos, até que eles se casem.  As famílias mais modernas, ainda consultam os idosos (pai e avôs) sobre decisões importantes, mas eles não têm mais a palavra final em relação à vida de seus filhos adultos.

As mulheres têm tradicionalmente servido em uma posição subordinada dentro da cultura chinesa (como na história do mundo). As mães chinesas geralmente ficavam em casa para cuidar da família.

No entanto, isso está mudando a passos largos. As mulheres estão no mercado de trabalho competindo corpo a corpo com os homens.

De acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa de Desenvolvimento da ONU de 2010, a China recebeu uma classificação de igualdade de gênero semelhante aos EUA.

Mesmo assim, ainda é quase uma obrigação a mulher se casar e ter filhos antes dos 25 anos. Haja visto as feiras de casamento que ainda são muito populares, acompanhadas por um movimento que prega a nova ordem que as chinesas querem ver no seu próprio país.

Vale conferir esses dois artigos:

A pressão social e a vida da mulher chinesa

A mulher chinesa e seus direitos

Linhagem patriarcal

Mesmo com todos esses avanços na sociedade, as famílias chinesas tradicionais honram o sistema de descendência patrilinear. Isso significa que a linhagem e a descendência de uma criança são calculadas apenas pelo pai. Os homens são os únicos que podem herdar a participação da família e a terra da família ou outras heranças nesse tipo de sistema.

Isso explica a preferência pelos filhos homens desde a época do Império. Como podem ver, ainda tem muito que mudar aqui.

Importância da Família

A frase “família é vida” é verdadeira na cultura chinesa. Família é muito importante. Tão importante, na verdade, que a família é a base de toda cultura chinesa. Vários pensamentos confucionistas são baseados na família.

Por exemplo, três dos cinco relacionamentos mais importantes ditados na filosofia de Confúcio são: pai e filhos, marido e mulher e irmãos (mais velhos e mais novos).

Uma outra coisa interessante, é que há denominações diferentes para os avos paternos e maternos, bem como para os irmãos por ordem de nascimento, deixando bem clara essa hierarquia.

Para realmente entender a importância da família, você precisa examinar os diferentes relacionamentos.

Há também responsabilidades e deveres específicos delineados aos pais, filhos e avós na lei de casamentos de 1980 da China, que ainda está em vigor.

Casamento

Casamento, família e filhos também são muito importantes na cultura chinesa. Como uma parte tão grande da população viveu em ambientes rurais por tanto tempo, casar e ter filhos significava que você teria trabalhadores e seria capaz de criar e manter uma herdade.

Mesmo com toda a nova onda de modernidade, muitas famílias ainda decidem sobre os casamentos dos filhos entre famílias afins, com objetivo de manter o bom relacionamento e juntar a fortuna familiar.

Pode parecer estranho aos nossos olhos ocidentais, mas isso acontece com mais frequência do que se pode imaginar.

Vivo em Shanghai, uma cidade cosmopolita, que pode ser comparada a Nova York facilmente, e aqui os jovens lutam mais por seus direitos de escolha. No interior, nas cidades e províncias que o acesso a cultura ocidental ainda está mais controlado, ainda é na escolha familiar que a maioria dos casamentos acontece, apesar de os casamentos arranjados terem sidos proibidos por lei em 1950.

E mesmo os casais chineses que escolhem seus próprios parceiros, ainda pedem a aprovação de seus idosos.

Respeito aos Idosos

Como em muitas culturas asiáticas, os idosos são reverenciados por sua sabedoria. Isto também é baseado no confucionismo através do conceito de piedade filial, devoção e respeito aos mais velhos.

Nas famílias tradicionais e modernas, os idosos são respeitados, cuidados e supervisionados pelo resto da família. Nas famílias tradicionais, é comum todas as gerações morarem na mesma casa/propriedade.

Mesmo nos lares modernos, muitos avós vivem com seus filhos e desempenham um grande papel na criação de seus netos. Apesar de hoje em dia, alguns pais estão tirando dos avós essa responsabilidade, por não quererem que os filhos aprendam os antigos hábitos com os idosos.

Educação das crianças

Nas famílias tradicionais, espera-se que todas as crianças obedeçam aos pais sem discussão. Na China moderna, meninas e meninos são tratados de forma igual. No entanto, os pais chineses são rígidos na educação formal (acadêmica), uma vez que as escolhas das crianças refletem sobre os pais. Isso porque a família é vista como uma unidade e não como pessoas individuais.

Já a educação social, as regras e deveres, essa sociedade moderna está deixando um pouco a desejar, as crianças chinesas estão completamente sem limites. E vocês podem conferir nesse artigo:

Os doze Valores da Educação Chinesa

Resumindo:

Os chineses ainda valorizam muito a instituição familiar. São capazes de largar empregos e oportunidades para cuidar de seus pais e avós. As decisões familiares ainda têm um peso muito grande para a ordem social (leia-se casamento, decisão de carreira etc.).

Por isso, para os brasileiros que estão entrando num relacionamento com chineses, procurem conhecer e entender a cultura familiar, as regras sociais, que estará presente diariamente no seu relacionamento.

Claro que não estou falando de descendentes que já nasceram e foram criados dentro da cultura ocidental. Para esses, noto que os valores existem, mas são mais maleáveis pois cresceram entre duas culturas.

Zài Jián!

Anúncios

6 pensamentos sobre “Relacionamento com chineses – a importância de entender a cultura

  1. Queria saber se lá é permitido casamento gay ou como os gays chineses sobrevivem a cultura milenar e certos padrões impostos principalmente aos homens. Adoro seu blog , tenha uma boa semana!

    • Oi Eliane,
      Obrigada.
      A questão dos gays ainda é bem delicada aqui, por parte da aceitação da sociedade.
      Mas está mudando, aos poucos, mas está.
      Direitos ainda não existe nenhum.
      Abraço

  2. Excelente artigo Chris!

    E as diferenças não param por aí. Ainda tem a questão relacionada a externar os sentimentos, eles são muito mais contidos (respeitosos também). Acho que eles são mais reservados e não costumam demonstrar com afeto (carinhos, beijos etc). Posso dizer que “as flores” são diferentes. Há amor, mas demonstrado de uma forma diferente da qual estamos habituados.

    • Exatamente Joyce,
      Tem muitos aspectos a serem analisados.
      E tenho recebido alguns emails de pessoas que afirmam que vão conseguir mudar o parceiro… acho bem perigoso iniciar um relacionamento apostando na mudança do outro ao invés de aceitá-lo como é.
      Beijo

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.